Mittwoch, Mai 21, 2008

Cumplicidades ...





Capturámos o tempo nas palmas das mãos,
E com as pontas dos dedos, por efémeros momentos ...
Reinventámo-nos em silêncio,
Amando-nos!

Testemunha desta íntima loucura,
A noite com manto de lua.
Cúmplice silente do elo sólido que nos liga,
Nesta e noutra vida.

Em cada um dos teus poros,
Afogueada, transvazo-me
E no teu corpo tenso, intenso,
ressumbro-me inteira,
como tórrida tempestade
numa noite de Primavera.

Essencial à minha, a tua pele.
Parte de uma só essência,
Duma existência e também,
Da nossa consciência.

Photobucket

Sou barco-corpo,
Em mar adentro,
Velas desfraldadas no teu vento.
Naufragamos juntos,unificados.
Soçobrando ...num poema a duas bocas.


Kommentare:

Equi hat gesagt…

adorei...está lindo..tal e qual como tu:-)

beijo, sonhadora ;-))

sonhadora hat gesagt…

Ai Equi Equi ...Rs

Sempre elogios, sempre meiguice.
Vou ficar convencida, e nariz empinado ...ai vou vou.

Beijo :-)

Anonym hat gesagt…

Não é só pelo traço contínuo da grandeza da tua sensibilidade,mas também pelo o tracejado minucioso da solidão que nós acompanha,passar a limpo alguns desses erros,impõe-se.
É num papel vincado de riscos e correcções,que se vai fazendo um mapa,carregado talvez,mas revelador. Não só pelo o traço...
Mas pelo o Amor.


.. .
. ..

Beijo.