Mittwoch, August 29, 2007

Sangrando Amor


Passam os dias, arrastando os meses,
Tornando momentos numa eternidade dolorosa.

E o tempo, escoa lento.
Longe do teu toque,
Minha pele desveste-se do que foi,
Não vibra, não sente.

Cobre-se da ordinariedade do quotidiano,
De um qualquer amargo analgésico.
Veste-se do que não sou,
De um torpor nublado.
Num gotejar aziago.
Sobrevivo!
Relembrando ...

Tempestades rasgam o céu.
E o trovão sussurra,
Difamando teu caracter,
Ofuscando teu nome.
Contam-me histórias da tua arrepsia!

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

E depois ...um dia vens!
E na minha carne ...
Abrem-se feridas em rosa,
Oferencendo-te pétalas de chagas nascidas
Sob a pele falsa que me esconde.

Por instantes, sentindo-te ...
Sou nova, reinventada.
Como se naquele momento,
Nascesse ao teu perto sentir.
E florescesse num ápice, outra eu.

Depois ...vais embora,
E o ciclo repete-se.
Deixando-me seca, outunal.
Maltrapilha de mim!


Kommentare:

Equi. hat gesagt…

ai que saudades...

..está lindo! :-)

beijo*

Anonym hat gesagt…

Soberbo..

Tens o dom de saber estar "perto"..obrigado

uma margarida ao lado da almofada onde sonhas..

..§

sonhadora hat gesagt…

Equi :)

Tb já tinha saudades de sentir vivo os dedos.

Obrigada por estares aí *

Beijo meigo

sonhadora hat gesagt…

..§

Obrigada pela margarida :)

AlmaAzul hat gesagt…

Lindo :)

...sabes uma vez disseram-me que a vida é um eterno retorno, eu achei sem sentido... mas se calhar até tem algum...
:-/
***azuis